Perguntas Frequentes

Olá! Seja bem-vind@ ao FAQ do Uranium Film Festival!

 
Caso sua pergunta não esteja contemplada, por gentileza, entre em contato.
Será um grande prazer receber suas críticas, dúvidas e sugestões: uraniofestival@gmail.com
 

O que é Uranium Film Festival?

International Uranium Film Festival – Festival de Cinema da Era Atômica – lança luz sobre todas as questões nucleares. É o maior festival de cinema no mundo dedicado a exibir filmes que abordam questões relativas à Era Atômica/Nuclear, como energia nuclear, mineração de urânio, armas nucleares e os riscos da radioatividade. Além da exibição de “filmes atômicos” de várias partes do mundo, o Uranium Film Festival também é um grande encontro de cineastas, artistas, cinéfilos, pesquisadores, jornalistas, professores, estudantes universitários, secundaristas e sociedade em geral, provenientes do Brasil e do exterior. É um espaço aberto de debates e trocas de ideias, acolhendo a todos. Independente de a favor ou contra ao uso da energia nuclear, todos precisam ser informados sobre os seus riscos.

Por que realizar o Uranium Film Festival?

Uranium Film Festival é uma necessidade, a necessidade urgente do debate aberto e da informação para todos sobre os riscos da radioatividade e seus impactos na saúde e no ambiente. O Brasil é um dos poucos países no mundo com mineração de urânio e tecnologia para transformar este minério em combustível nuclear; também tem usina nuclear, com seu depósito provisório de lixo radioativo, e agora está construindo o primeiro submarino nuclear da América Latina. Além disso, centenas de hospitais usam aparelhos com elementos radioativos para diagnosticar e tratar doenças. Um aparelho abandonado causou o maior acidente radiológico da América Latina, em Goiânia (1987). Quando um acidente como este é esquecido, fica mais fácil de ser repetido. O primeiro passo para nos prevenirmos de um risco é saber que ele existe. Informação é a melhor prevenção para todos!

Quando o Uranium Film Festival foi criado e por quem?

A história deste festival inédito no mundo começa em 2010, no Rio de Janeiro, e agora ele é o festival de cinema mais conhecido sobre energia nuclear e radioatividade, apelidado de “Cannes Atômico”.
Uranium Film Festival foi criado pelo jornalista de ciência Norbert G. Suchanek e pela cientista social e professora da Rede FAETEC Márcia Gomes de Oliveira Suchanek. Em 2006, eles realizaram uma entrevista com o Cacique João Verá, liderança do povo Guarani Mbyá da Aldeia Sapukai, em Bracuí, a 20 Km das usinas nucleares de Angra dos Reis. “Na época, percebemos que era preciso continuar a falar sobre os riscos da radioatividade em sua totalidade, da mineração do urânio ao lixo radioativo, algo que somente um festival de cinema especializado na temática nuclear poderia dar conta. Então, depois de 4 anos de busca de apoios e parcerias, lançamos, em agosto de 2010, o site com a chamada para inscrições de filmes. O sucesso foi imediato, recebíamos DVDs diariamente dos quatro cantos do mundo. ”, lembra Márcia. Saiba mais desta história aqui: https://uraniumfilmfestival.org/pt-br/sobre-nos

Qual a classificação indicativa?

Classificação indicativa recomendada é a partir de 14 anos. 

Uranium Film Festival é para o público a favor ou contra o uso da energia nuclear?

Uranium Film Festival é para todos. Não importa se você é a favor ou contra o uso de energia nuclear ou do urânio: o risco é para todos e o primeiro passo para nos prevenirmos de um risco é saber que ele existe e não ignorá-lo. Os riscos da radioatividade é um problema da Humanidade. Desde a invenção da fissão nuclear, vivemos na Era Atômica e todos devem ser informados sobre essa tecnologia e seus riscos. Quão segura é a energia nuclear? O que fazemos com nosso lixo radioativo? Quais as consequências para as gerações atuais e futuras dos acidentes nucleares e dos mais de 2.000 testes nucleares atmosféricos? São questões que não podem ser ignoradas por nenhum cidadão nesse mundo. Todos estão convidados a assistirem as melhores produções audiovisuais sobre o tema e a exporem seus pontos de vistas, trocar ideias e fortalecer a democracia planetária. 

Quando e onde irá acontecer o próximo Uranium Film Festival?

A 11ª edição do Uranium Film Festival será de 19 a 29 de maio de 2022.

Em formato híbrido: haverá sessão online e presencial na Cinemateca do Museu de Arte Moderna (MAM Rio), no Parque do Flamengo. Mais informação clique aqui. 

Sessão escolar no Festival: sessão especialmente preparada para escolas públicas e privadas do Ensino Médio e Fundamentais Anos Finais, com a presença de um convidado do Festival para responder perguntas do público. Mais informações como particpar do 11º Uranium Film Festival 2022  clique aqui

Observação: Se a pandemia Covid-19 - contrariando nossas expectativas e esperanças - não permitir a realização presencial, o Festival acontecerá nas plataformas online do MAM Rio, como foi a 10ª edição em 2021. 

Dúvidas e sugestões: uraniofestival@gmail.com

Os filmes do Uranium Film Festival estão disponíveis online?

Somente durante a realização da edição anual do Festival, na Plataforma do MAM Rio. O Uranium Film Festival deseja tornar acessível ao público os melhores “filmes atômicos” de seu arquivo (Cinemateca Atômica), assim que tiver patrocínio para financiar sua plataforma de exibição.

Qual é a classificação indicativa para participar do Uranium Film Festival?

A idade indicada é a partir de 14 anos.

Qual é o público alvo do Uranium Film Festival?

Uranium Film Festival é para todos. Cientistas, engenheiros, técnicos, jornalistas, médicos, profissionais liberais em geral, militares, ambientalistas, pesquisadores, professores, estudantes universitários, do Ensino Médio, ANos Finais do Fundamental e a todos interessados em compreender a Era Nuclear em que vivemos.

Como faço para ter meu filme exibido no Uranium Film Festival?

O Uranium Film Festival aceita filmes de ficção, documentário e animação, novos ou antigos, com qualquer tempo de duração e gênero. Não é obrigatório que os filmes sejam produções novas. A única exigência para inscrição do filme é que contenha em sua temática, algum dos aspectos nucleares ou atômicos, oriundos da Era Nuclear/Atômica, como por exemplo: energia nuclear, bombas atômicas, armas de urânio, acidentes nucleares e radiológicos, equipamentos que contenham elementos radioativos ou emitam radiação ionizante, irradiação de alimentos, lixo atômico, descomissionamento nuclear, mineração e prospecção de urânio e outros minerais radioativos; sobre barragens de águas e de rejeitos de lixo radioativo; sobre materiais radioativos de ocorrência natural; sobre a história da Era Atômica, da energia nuclear e de cientistas nucleares, como Marie Curie e Julius Robert Oppenheimer, etc. 

O festival é competitivo?

O festival é competitivo para produções independentes, nas categorias de melhor curta e de melhor longa-metragem de ficção e documentário, podendo o juri decidir por reconhecimentos especiais. Os melhores filmes recebem o troféu Uranium Film Festival

Quem são os “cineastas atômicos”?

O Uranium Film Festival traz luz a um problema que a maioria das pessoas em todo o mundo ainda prefere ignorar: como o processo de mineração e moagem de urânio, questões ligadas à energia nuclear, armas nucleares, todo o ciclo do combustível nuclear, lixo radioativo, o urânio 235, U 236, U 238, césio 137... Definitivamente, a questão nuclear é muito técnica, difícil, às vezes feia e escondida. Por isso não é nada fácil fazer documentário ou ficção sobre essa questão. Nem todos os envolvidos com o assunto ou pessoas afetadas querem falar abertamente. Além disso, é um enorme desafio filmar algo que é invisível, que não tem cheiro, nem gosto e nem som, mas que ainda pode matá-lo ou prejudicar a sua saúde e de suas próximas gerações, como é o caso da radioatividade. “Cineastas atômicos" às vezes arriscam suas vidas ou suas carreiras para fazer o que tem de ser feito. O festival promove estes corajosos "fazedores de cinema" e apresenta seus filmes para um público internacional. Cada ano os melhores filmes são premiados com o Troféu do Uranium Film Festival e menções honrosas.

Posso divulgar a marca da minha empresa ou instituição no Uranium Film Festival?

O Uranium Film Festival é o evento ideal para empesas e instituições públicas e privadas que buscam se associar a uma iniciativa de Arte, Cultura, Informação, Segurança e Proteção Radiológica, Consciência Ambiental e afinada com o debate de nível internacional sobre as Mudanças Climáticas. Há várias maneiras para você participar com a sua marca. Por exemplo, você pode dar o nome ao Troféu do Festival e levar a sua marca para os quatro cantos do mundo, pelas mãos dos cineastas premiados. Vamos conversar para saber o que podemos fazer de melhor. Contato: marcia.gomes@uraniumfilmfestival.org - Diretora Executiva Márcia Gomes.

Por que o nome do festival é Uranium (urânio escrito em inglês), se o assunto do Festival é energia nuclear e radioatividade?

Para tratar sobre todos os assuntos que envolvem a energia nuclear e os efeitos da radioatividade, precisamos saber, em primeiro lugar, que o minério urânio é a fonte do combustível nuclear. Sem a descoberta do urânio, a Era Atômica não existiria. O nome do festival é em inglês, porque é um evento que recebe pessoas do mundo todo e também realiza mostras no exterior.

O que significa a logomarca do Festival „Urânio Em Movi(e)mento“? 

O Festival leva o assunto sobre urânio e energia nuclear para o cinema - em inglês „Movies“ - imagens em movimento. A Era Atômica é a era do urânio em movimento. A energia nuclear per si significa que o urânio está em movimento. O minério urânio é retirado do subsolo, transportado para uma usina de beneficiamento ou moinho, onde o urânio é extraído do minério, purificado e concentrado numa torta de cor amarela, chamada “yellowcake”. Depois esta torta amarela é transportada para uma outra fábrica - no caso do Brasil para uma fábrica no exterior - para ser convertido em hexafluoreto de urânio (UF6). Em mais uma outra fábrica acontece o enriquecimento do urânio, que tem o objetivo de aumentar a concentração do isótopo 235 do urânio no UF6 e que produz um „lixo“ nuclear, chamado urânio empobrecido ou U-238. Depois o UF6 enriquecido é re-transformado em dióxido de urânio (UO2), sob a forma de pó. A partir daí começa a fabricação do elemento combustível: as pastilhas de urânio são colocadas em tubos de uma liga metálica especial (zircaloy). Esses tubos, em formas de varetas, são transportados para as usinas nucleares para esquentar água e produzir vapor que movimenta turbinas para gerar energia elétrica. Mas isto ainda não é o fim da viagem ou do movimento. Depois de um tempo de uso, essas varetas de combustível nuclear, ainda com alta atividade, perdem a eficácia e são substituídas por novas. As varetas usadas passam, então, a ser "lixo altamente radioativo" (lixo nuclear de alta atividade). Até o presente momento, elas estão em depósitos provisórios, aguardando reciclagem ou seu movimento final em um depósito ou cemitério nuclear altamente seguro por mais de cem mil anos. Mas este depósito ainda não existe em nenhum lugar do mundo.  

Conheça os encontros online do Uranium Film Festival 2021

Declarações sobre o Uranium Film Festival

"Aconteceram vários desastres nucleares no mundo. Com o Uranium Film Festival todos ficam sabendo disso. O festival está sendo apresentado em vários países e os organizadores procuram mostrar principalmente para os jovens conhecerem o perigo da radiação. Parabéns!" Kunihiko Bonkohara - sobrevivente de Hiroshima e membro da Associação das Vítimas das Bombas Atômicas de Hiroshima e Nagasaki residentes no Brasil  (São Paulo - Brasil)

"Ter a oportunidade de conhecer, ver e ouvir uma testemunha viva de Hiroshima é uma experiência que ficará na minha memória para sempre.” Estudante secundarista (Rio de Janeiro - Brasil)

"Rezo para que vocês consigam levar isso mais vezes para mais lugares e mais vezes no ano também. Uma vez por ano eu acho que é muito pouco. Assim como rememorar o acidente com o césio 137 uma vez a cada 5 anos, eu acho pouco, porque o acidente continua acontecendo, vivemos as consequências dele hoje."  Odesson Alves Ferreira - membro da Associação das Vítimas do césio 137 em Goiânia (AVCésio). (Goiânia - Brasil)

"Justamente, acreditar no que se faz é o segredo para sentir-se bem com as realizações e compreender as dificuldades. O tema do desarmamento nuclear é realmente muito pouco divulgado no Brasil; nos países armados e seus aliados, o que se divulga são em geral as tentativas de (poucos) outros países de adquirir sistemas de destruição tão letais e indiscriminados como os que possuem os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança, que julgam ter o direito de possui-los. Mas há quem se levante contra isso. Pessoas como você se atrevem a desafiar essa visão e a contestar o desenvolvimento e a posse de armas nucleares. Ainda bem que você existe!"  Embaixador Sérgio Duarte - Presidente da organização internacional Pugwash. (Brasil)

"Eu não nego que venho ao festival com muito entusiasmo assistir aos filmes que não são mostrados em outros lugares, e que trazem informações fundamentais a respeito da radioatividade.” Alphonse Kelecom - professor do Laboratório de Radiobiologia da Universidade Federal Fluminense (Rio de Janeiro - Brasil)
 
"Graças ao festival, fiquei sabendo que existe usina nuclear no Rio de Janeiro.” Estudante secundarista (Rio de Janeiro - Brasil)

“O Uranium Film Festival é uma instituição única, com todos os filmes escolhidos que homenageiam os dedicados cineastas, cujo trabalho exibido nesse festival chama a atenção do mundo para os desafios de lidar com a presença contínua de armas nucleares, bem como, o enigma da energia nuclear. Na parede do meu escritório, tenho a seguinte citação do músico Leonard Cohen: Toque os sinos que ainda podem ser tocados. Esqueça sua batida perfeita. Existe uma rachadura em tudo. É assim que a luz entra. Obrigado por fornecer a oportunidade de todas essas histórias serem contadas. Mantenha os sinos tocando!” Robert E. Frye produtor de programas de notícias e documentários sobre a Era Atômica (Nova York – Estados Unidos)

"Gostaria de parabenizar os organizadores/colaboradores da edição online do Uranium de 2021. Uma seleção de vídeos de tirar o fôlego! Que venham mais eventos como este!! Gratidão". Emmanuel Fraga - professor da Rede Faetec  (Rio de Janeiro - Brasil)
 
“Lidar com o tema da radioatividade e seus perigos é uma questão global. Portanto, é extremamente importante que o Uranium Film Festival seja ativo em todo o mundo. Eu gostaria de agradecer sinceramente a todos aqueles que, com seu grande trabalho, estão empenhados em fazer o festival acontecer em muitos lugares ao redor do mundo. Não devemos permitir que pessoas individuais ou estados inteiros fechem os olhos para os perigos da energia nuclear”. Klaus Mindrup - biólogo e ex-deputado do Parlamento Alemão (Berlim – Alemanha)
 
“Experiência maravilhosa participar do Uranium Film Festival, com o ambiente criado pelos filmes surpreendentes, cada trabalho de amor, convicção e cuidado. Dignidade, alma e informação profunda ”. Libbe HaLevy – jornalista e produtora da estação de rádio online “Nuclear Hotseat” (Los Angeles – Estados Unidos)

Contato, críticas, dúvidas e sugestões: info@uraniumfilmfestival.org