MAM Rio 2022
MAM Rio 2022
MAM Rio 2022
MAM Rio 2022
MAM Rio 2022
MAM Rio 2022
MAM Rio 2022
MAM Rio 2022

MAM Rio 2022

 

11ª edição do International

Uranium Film Festival Rio de Janeiro

19 a 29 de maio de 2022
na Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio).
Avenida Infante Dom Henrique, 85 Parque do Flamengo
Gratuito
Classificação indicativa: 14 anos

Link reserva: escolha sua sessão e coloque a opção (gratuito) para gerar o ingresso:
https://mamrio.byinti.com/#/ticket/

Certificado de participação UNIFAETEC: https://forms.gle/xhgNqM1LRuEM6Bok7
O Festival também é online: acesso direto, sem inscrição, de 19 a 29 de maio, link:
 

Catálogo do Festival

 

DOM 29 MAIO 2022 - GRANDE FINAL

15:00 

 

Nosso amigo, o átomo: um século de radioatividade (Notre ami l'atome: Un siècle de radioactivité) de Kenichi Watanabe

França, 2020. Produção Kami productions.  Documentário. 56’. Francês. Inglês. Legendas em português. Presencial e Online
Os cientistas manipularam com sucesso a energia nuclear. Mas a indústria nuclear civil e militar escondem e minimizam os riscos do átomo. O filme é uma extensa investigação histórica sobre a ligação entre a exposição à radiação e seus efeitos no corpo humano. Do casal Curie à Fukushima, o filme pretende dar sentido às histórias das vítimas irradiadas, ao mesmo tempo em que revela as mentiras do mundo do átomo. Trailer

 

16:00

(Tapete vermelho / Red carpet)

16:10

Vale dos Deuses (Valley of the Gods) de Lech Majewski

Polônia / Itália / Luxemburgo / Estados Unidos, 2019. Produtor Lech Majewski e Filip Rymsza, Co-produção Polônia-Luxemburgo, Royal Road Entertainment. Com Josh Hartnett, John Malkovich, John Rhys-Davies, Bérénice Marlohe,  Joseph Runningfox, Ficção, 126’. Inglês. Legendas em português.  Com partipação de Lech Majewski. Presencial

“Vale dos Deuses” foi rodado em Utah, Los Angeles, Roma e nos castelos da Polônia. Escrito, dirigido e produzido por Lech Majewski, tece três fios narrativos: a lenda tradicional Navajo sobre deuses presos dentro das rochas do Vale dos Deuses; a história da pessoa mais rica do mundo, Wes Tauros (John Malkovich), que vive escondido do mundo sofrendo uma tragédia pessoal; e a do narrador, John Ecas (Josh  Hartnett), que trabalha como redator na empresa de Tauros. Após uma separação traumática de sua esposa, John começa a escrever a biografia de seu chefe e aceita um convite para sua mansão. Neste momento, a empresa de Tauros, que extrai minério de urânio, compra o Vale dos Deuses para fazer túneis na terra sagrada. A paz quebrada dos ancestrais Navajo faz com que as rochas deem luz a um vingador. O filme recebeu vários prêmios: Prêmio Especial de Direção, Camerimage 2019; Prêmio alla Carriera, Lucca 2020; Nova Visão, Sitges 2020; Melhor Filme Europeu, Melhor Diretor Internacional, I-FEST International Film Festival, Castrovillari, 2021, Melhor Longa-Metragem do 8° International Uranium Film Festival Berlim, 2020.

Lech Majewski apresentará seu filme no MAM do Rio de Janeiro, cidade que já visitou em 1986. Ele foi ao bairro carioca de Santa Teresa para conhecer o “homem mais procurado do mundo”, Ronald Biggs, o famoso assaltante do trem pagador inglês, para desenvolver com ele o roteiro de seu filme de 1988 "Prisioneiro do Rio". Site.

Premiação

Com a participação dos cineastas Lech Majewsky, José Herrera Plaza e Jaime García Parra, Odesson Alves Ferreira, entre outros
Confraternização nos Jardins do MAM Rio com degustação de Cachaça Magnífica e DJ Flávio (@alivepopup)
 

 

PROGRAMAÇÃO DAS SESSÕES PRESENCIAS

19 A 29 DE MAIO - DE QUINTA A DOMINGO

QUI 19 MAIO – HISTÓRIA DA BOMBA ATÔMICA

15:30 

Sobre o significado de tudo. A Rede do Físico Hans-Peter Dürr (Vom Sinn Des Ganzen) de Claus Biegert


Alemanha, 2020, Produção Biegertfilm, Música de Zoro Babel. Documentário. 103’. Alemão. Legendas em português. Presencial

O filme oferece material excepcional sobre os encontros do físico alemão Hans-Peter Dürr  (1929 - 2014), diretor do Insituto Max Planck de Munique, com os cientistas atômicos Edward Teller e Josef Rotblat - os dois foram envolvidos no Projeto Manhattan, para fazer a primeira bomba atômica nos EUA, em Los Alamos. Quando ficou óbvio que Hitler não construiria uma bomba atômica, Rotblat imediatamente se demitiu de Los Alamos e fundou a entidade „Pugwash“, dedicada a desenvolver e apoiar políticas científicas que promovam um mundo livre das armas nucleares, recebendo por isso, o Prêmio Nobel da Paz, em 1995. Teller ficou e se tornou o "pai da bomba de hidrogênio“. A indagação de Peter Dürr nunca foi tão urgente para ser respondida: „Qual é a relação entre partículas, pessoas e potências mundiais?“ Trailer

17:30 

Depois do dia seguinte (After the Day After) de Nathan Meltz

Estados Unidos, 2011. Animação experimental. 6’. Inglês. Legendas em português.  Presencial e Online

Um remake de animação sobre o legendário filme para TV "O Dia Seguinte" (The Day After) de Nicholas Meyer (1983) - uma ficção sobre a guerra atômica entre Estados Unidos e Rússia que mobilizou a sociedade americana e marcou definitivamente a vida de muitos jovens que assistiram ao filme em casa com seus familiares. Site.


Evento televisivo (Television Event) de Jeff Daniels

Estados Unidos, 2020. Documentário, 91’. Inglês. Legendas em português. Presencial

Baseado em imagens de arquivo, o filme mostra o clímax dramático da Guerra Fria, através das lentes de uma rede de TV comercial, que consegue produzir o filme para TV mais assistido e controverso dos Estados Unidos: „O Dia Seguinte“ (The Day After) de Nicholas Meyer, 1983.  Com humor irreverente e visão apocalíptica sóbria, este filme revela como uma emissora comercial aproveitou um momento de audiência televisiva sem precedentes, fez uma conexão emocional com uma audiência de mais de 100 milhões de telespectadores e forçou uma conversa urgente com o presidente dos EUA sobre como enfrentar e resolver coletivamente a questão mais urgente da época: a proliferação nuclear. Site do filme. Trailer.

19:30 

Totem & Minério (Totem & Ore) de John Mandelberg

Austrália, 2019. Documentário. 97’. Inglês. Legendas em português. Presencial e Online

Um documentário sobre os efeitos das armas e testes nucleares. Começando com a bomba de Hiroshima e terminando no colapso nuclear de Fukushima. As tragédias históricas e o medo contados por testemunhas de bombas atômicas, ativistas, cineastas, artistas, atores, médicos, professores … Trailer

SEX 20 MAIO - RISCOS RADIOATIVOS

15:00 

Vizinho tóxico (Toxic Neighbour) de Colin Scheyen

Canadá, 2021. Produção Ann Shin e Hannah Donegan.  Documentário. 25’. Inglês. Legendas em português. Presencial e Online

Eugene Bourgeois não tinha preocupações com a energia nuclear quando montou sua fazenda ao lado da maior instalação nuclear do mundo, em 1974. Ele e sua esposa Ann administraram um negócio de lã de sucesso e ensinaram gerações de pessoas ao redor do mundo a arte do tricô. Eles realmente acreditavam que tinham encontrado o paraíso. No entanto, nas décadas seguintes, Eugene, sua família e seu rebanho de ovelhas foram frequentemente expostos ao sulfeto de hidrogênio, um gás mortal da usina nuclear, que fez com que centenas de suas ovelhas ficassem cegas, nascessem deformadas ou mortas. A indústria negou qualquer ação errada, mas Eugene sempre soube a verdade, e dedicou o resto de sua vida pressionando seu vizinho nuclear por maior transparência e responsabilidade. Trailer.

Sam e a usina nuclear ao lado (Sam and the plant next door) de Ömer Sami

Dinamarca e Reino Unido, 2019. Ficção. 23’. Inglês. Legendas em português. Legendas inglês. Presencial e Online

Crescendo nas sombras da mais nova usina nuclear da Grã-Bretanha, Sam, de onze anos, está preocupado com o que isso significa para o mundo ao seu redor e precisa decidir que tipo de pessoa ele quer ser. À deriva entre sua vida cotidiana e seus sonhos, o filme explora temas de esperança, desapego e crescimento. Uma reflexão delicada e sensível sobre a construção, na atualidade, da usina nuclear Hinkley Point C, com dois reatores, em Somerset, Inglaterra. Trailer

Medo a flor da pele (Peur à fl eur de peau) de Franck Sanson


França, 2020. Produção Prontoprod & A2Dock Films. Documentário. 55’. Inglês. Legendas em português. Legendas em inglês.  Presencial e Online

Uma coisa que Fukushima, no Japão, e La Hague, na França, têm em comum é o medo do nuclear. Para alguns, tornou-se uma realidade infernal, para outros, uma inquietação sempre presente, consciente ou inconsciente. O filme nasceu de um choque pessoal do autor com o desastre nuclear em Fukushima. O evento despertou memórias há muito esquecidas que, uma vez ressurgidas, evocou uma pergunta muito real: existe o medo do nuclear? Trailer

17:00 

O jardim (The Garden) de Bill McCarthy


Estados Unidos, 2021. Animação. 7’. Inglês. Legendas em português. Presencial e Online

A estória de uma Xamã cega que começa a plantar nos portões de uma instalação nuclear, criando um gigantesco jardim de girassóis que contagia os funcionários da empresa.

Brincando com urânio (Playing With Uranium) de Daniel Hackborn

 
Canadá, 2020. Produtor Patrick Borgers.  Documentário. 10’. Inglês. Legendas inglês.  Presencial e Online

Filme analisa o legado das minas de urânio exploradas em Elliot Lake e seus arredores, durante a segunda metade do século 20, no Canadá. Os executivos e acionistas da mineração ganharam milhões de dólares, enquanto o povo indígena Anishinaabe, do Serpent River, chama o Elliot Lake de lar e precisa conviver com milhões de toneladas de rejeitos tóxicos e radioativos que foram deixados espalhados pela floresta em lagos e abrigos artificiais. Trailer

Fotografia & Radiação (Photography & Radiation) de Jesse Andrewartha.

Canadá, 2018. Documentário. 15’. Inglês. Legendas em português. Presencial e Online

A descoberta da radioatividade, nos anos finais do século XIX, poderia nunca ter ocorrido se não fosse a fotografia. A criação do autorradiograma foi nossa primeira janela para o mundo oculto do reino subatômico. O filme ilumina o vínculo essencial entre a experiência da radiação pela humanidade, o papel da fotografia e o seu poder de atuar como espelho de nosso poder tecnológico e de nossa loucura. Uma jornada pessoal do artista visual Jesse Andrewartha que explora a história do autorradiograma, enquanto cria um novo corpo de trabalho: uma série de autorradiogramas de urânio para a próxima exposição “Transmutations: Visualizing Matter - Materializando a Visão”. Trailer

Transmutações: visualizando a matéria (Transmutations: Visualizing Matter) de Jesse Andrewartha

Estados Unidos e Canadá, Produção Marcos Fajardo.  2021. Documentário. 70’. Inglês. Legendas em português. Presencial e Online

Um projeto artístico que explora a história, o legado e a radioatividade da mineração de urânio, durante a Guerra Fria, no Canadá e nos EUA. Capturado ao longo de três anos, usando filme de 35 mm e tecnologias digitais, o filme revela o mineral e as pessoas, cujas vidas foram impactadas pelo urânio: ex-mineiros que trabalharam décadas no subsolo, líderes indígenas e ativistas, liderando a tarefa de limpar as minas e os lugares que mudaram o equilíbrio de poder em escala global. Trailer & site do projeto.

19:00 

Mustangs & Renegades de James Anaquad Kleinert

 Estados Unidos, 2020. Documentário. 127’. Inglês.  Presencial e Online

Esta é a história que os cavalos selvagens da América nos contam sobre nós mesmos, a globalização e a capacidade de um contador de histórias de perseverar, apesar de ser alvo do governo mais poderoso do mundo. Ao se deparar com um único bando de cavalos selvagens (mustangs) vivendo livremente em Disappointment Valley, no sudoeste do Colorado, Kleinert descobre que as indústrias de extração têm ignorado e pervertido as leis de proteção aos mustangs, colocando em risco o destino desses cavalos e das terras públicas. Fracking de petróleo e gás, urânio e minerações de “terras raras” são imanentes em Disappointment Valley. Com depoimentos do representante do Departamento do Interior, indígenas, políticos, cientistas, advogados, mineiros, cowboys, astros do rock e do cinema, o filme compartilha um olhar revelador sobre o moderno oeste selvagem americano.
Mustang & Renegades é um filme para quem gosta de cavalos, especialmente cavalos selvagens,
ou apenas tem um coração por animais. Um filme com cenas espetaculares do "último" Velho Oeste e sua ameaça.
 Site do filme
Apóis o filme degustação de Cachaça Magnífica 
 

SAB 21 MAIO – A QUESTÃO NUCLEAR

14:30 

Como o povo da Áustria disse não ao nuclear (Atomlos durch die Macht) de Markus Kaiser-Mühlecker

Áustria, 2019. Documentário. 74’. Alemão. Legendas em português. Legendas em inglês. Presencial e Online

A Áustria é o único país no mundo que suspendeu a construção de uma usina nuclear totalmente funcional, na última fase da construção, depois de voto popular, em 1978. O filme mostra o multifacetado tema energético, envolvendo tecnologia, saúde, meio ambiente, política e democracia.  Trailer/Info

16:00 

Projeto sombra (The Shadow Project) de Teresa D'Elia

Canadá, 2020. Documentário experimental. 5’. Inglês. Legendas em português.  Presencial

"The Shadow Project" é um projeto artístico, cujo nome remete à imagem icônica da sombra deixada no chão de Hiroshima, por uma pessoa que foi vaporizada pela explosão atômica. Em memória aos atentados de 1945, em Hiroshima e Nagasaki, no Japão, o projeto já aconteceu em mais de 250 cidades em todo o mundo e visa aumentar a conscientização sobre a ameaça contínua da proliferação nuclear. Em Hamilton, Ontário, "Shadow Project" é apresentado, todos os anos, pelo artista Bryce Kanbara (You Me Gallery). Este filme apresenta imagens do evento de 2019 e material de arquivo, ambientado em um poema da célebre escritora Ellen S. Jaffe. A peça é interpretada pela poetisa Nisha Patel (Campeã do Canadian Individual Slam de 2019 e ex-Poeta Laureate, City of Edmonton). Site da cineasta.

Miyako de Maria Victoria Sanchez Lara e Ari Beser

Estados Unidos e Japão, 2020. Produção Kathleen Sullivan. Documentário animação. 5’. Japonês. Legendas em português ou Inglês.  Presencial e Online

Após 20 anos, Miyako Jodai retornou ao local onde sobreviveu à bomba atômica, em Nagasaki. Suas memórias são animadas com os cartões Kamishibai que ela usa para contar sua história. Trailer.

Acobertamento Atômico (Atomic Cover-up) de Greg Mitchell e Suzanne Mitchell

Estados Unidos, 2021. Documentário, 52’. Inglês. Legendas em português. Presencial

Primeiro documentário a explorar os atentados de Hiroshima e Nagasaki, em 1945, a partir de uma perspectiva única, com palavras e imagens surpreendentes dos bravos cinegrafistas e diretores que arriscaram suas vidas, filmando após a irradiação. O filme revela como esta filmagem histórica, criada por uma equipe de cinejornais japoneses e, em seguida, por uma equipe de elite do Exército dos EUA que filmou os únicos rolos coloridos, foi apreendida, classificada como ultrassecreta e, em seguida, enterrada por oficiais americanos por décadas, para ocultar todos os custos humanos dos bombardeios. Ao mesmo tempo, os produtores da filmagem fizeram esforços heróicos para expor seu filme chocante e revelar as verdades dos bombardeios atômicos que poderiam impedir a proliferação nuclear.  “Atomic Cover-up” representa, pelo menos em parte, o filme que não foi permitido fazer, bem como uma homenagem aos documentaristas de todo o mundo. Melhor documentário de arquivo 10º International Uranium Film Festival 2021. Trailer. 

Namíbia, Brasil de Miguel Silveira e Elias Lopez-Trabada

Brasil, 2006. Ficção. 10’. Português. Legendas em inglês.  Com participação de Miguel Silveira. Presencial e Online

Uma abordagem poética e infantil do rescaldo do bombardeio atômico de Hiroshima e Nagasaki. A jovem brasileira Namíbia conta ao pai, um dia depois da escola, a história da menina do outro lado do mundo que adoeceu após a catástrofe nuclear, ocorrida há muitas décadas atrás. A menina japonesa tinha apenas dois anos quando uma bomba atômica foi lançada sobre Hiroshima. Aos doze anos, ela finalmente contraiu leucemia e foi hospitalizada. Lá ela dobra um total de mil origamis.  O filme foi trabalho de graduação do cineasta no Columbia College Chicago. Exibido em mais de 35 festivais de cinema, incluindo The Cannes Film Festival 2007 (França), e agora, pela primeira vez no Brasil, no 11º Uranium Film Festival 2022. Miguel apresentará seu filme pessoalmente na Cinemateca do MAM Rio de Janeiro. Estreia Brasil. Trailer

17:30 

Bate papo com Embaixador Sérgio de Queiroz Duarte sobre o risco de uma guerra nuclear  

Sérgio de Queiroz Duarte: Representante do Brasil na Agência Internacional de Energia Atômica (1999 - 2002). Presidiu a Conferência de Exame do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (2005). Foi Alto Representante das Nações Unidas para Assuntos de Desarmamento, em Nova York (2007 a 2012). Assessor das Delegações do Brasil no Comitê das 18 Nações sobre Desarmamento,
em Genebra, e na Primeira Comissão do Desarmamento da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York. Presidente da Conferência de Exame do Tratado de Proibição de Armas Nucleares no Fundo do Mar. Presidente da Junta de Governadores da Agência Internacional de Energia Atômica. Atualmente é Presidente da organização nãogovernamental Pugwash, fundada pelo philosofo Bertrand Russell e pelo físico Joseph Rotblat, em 1957, ganhadora do Prêmio Nobel da Paz, em 1995. Diplomata de carreira, foi Embaixador do Brasil na Nicarágua, Canadá, China e Áustria. Autor do livro “Desarmamento e temas correlatos”.
Mediação de Márcia Gomes de Oliveira, diretora do festival. Presencial
 

DOM 22 MAIO– BARRAGENS RADIOATIVAS

15:00 

África do Sul: vilarejos tóxicos (Afrique du Sud: Townships Toxiques) de Martin Boudot

França, 2018. Documentário, 53’. Francês. Inglês. Legendas em português.  Presencial e Online

Joanesburgo, capital da África do Sul, é considerada a cidade mais contaminada com urânio do mundo. Lixões, de cerca de 600 minas abandonadas, ficam ao lado de comunidades residenciais, soprando poeira poluída em residências e contaminando o solo e o abastecimento de água. Para ter uma ideia da grande extensão do problema, Martin Boudot e sua equipe de pesquisadores investigam, equipados com um contador Geiger, e descobrem algumas realidades perigosas. Trailer

16:00

Bretanha radioativa (Bretagne Radieuse) de Larbi Benchiha 

França, 2019. Documentário. 52’. Francês. Inglês. Legendas em português. Presencial e Online

Uma reportagem sobre o rastro invisível do urânio na Bretanha, França. 250 minas de urânio foram exploradas na França, de 1945 a 2001, resultando em 252 milhões de toneladas de rejeitos radioativos que permanecem no ecossistema, ou seja, essa extração de urânio produziu resíduos que permanecem prejudiciais à saúde até hoje. Na Bretanha, entre 1955 e 1984, 42 minas de urânio foram exploradas, sendo 26 delas no Departamento de Morbihan. Técnicos independentes medem a radiação no quintal das pessoas e o resultado é mil, duas mil até três mil vezes mais radioativo do tolerável. Nem todos os lugares que a ex-AREVA (empresa do governo francês de energia nuclear, atualmente COGEMA) fez a descontaminação funcionou bem, além dos casos em que ela nunca apareceu para iniciar a descontaminação. Trailer

17:00

Na sombra do Tugtupite (In the Shadow of the Tugtupite) de Inuk Jørgensen

Groenlândia, 2020. Documentário. 7’. Inglês. Legendas em português. Legendas em inglês. Presencial e Online
Um retrato cinematográfico de desespero e ansiedade em relação a um futuro desconhecido para o povo indígena Inuit da maior ilha do mundo, a Groelândia. O filme questiona a lógica por trás das perspectivas de mineração de urânio passadas e futuras na Groenlândia e como elas estão conectadas à busca de identidade para a nação nascente. Trailer.
 

Urânio amaldiçoado (L’uranium de la Colère) de Martin Boudot

França, 2021. Produção Luc Hermann e Paul Moreira.  Documentário. 50’. Francês. Inglês. Legendas em português.  Presencial e Online
Níger abriga uma das maiores reservas de urânio do mundo. Todos os anos, o país africano produz mais de 2.500 toneladas de yellowcake (concentrado de urânio), criando toneladas de resíduos tóxicos. Perto da mina está a vila de Arlit, onde os níveis de radioatividade excedem aos da zona interditada de Chernobyl. A poeira radioativa da mina é levada pelos ventos para as casas das pessoas, colocando em risco suas vidas e matando a vida selvagem local.  Do Níger, o urânio é enviado para a fábrica de conversão de urânio em Narbonne, na França, que se tornou a porta de entrada do urânio para a Europa. Lá, o urânio é purificado antes de ser enviado para as usinas nucleares, um processo que novamente gera toneladas de resíduos tóxicos. Perto da usina, os níveis de radioatividade são 50 vezes o normal e os ativistas pedem uma regulamentação mais rígida. A equipe “Guerreiros Verdes” (Green Warriors) coleta dezenas de amostras de moradores de Arlit e Narbonne para aprender mais sobre a poluição de urânio que alimenta nossas usinas nucleares. Trailer.
 
Estados Unidos, 2000/2011, Produção Jeff Spitz e Bennie Klain. 71’. Inglês. Legendas em português. Presencial e Online

O filme narra uma extraordinária cadeia de eventos, começando com o aparecimento de um rolo de filme da década de 1950, que leva ao retorno de um irmão caçula à sua família Navajo. A história exibida neste documentário desencadeou uma investigação federal sobre contaminação por urânio nos Estados Unidos.  Vivendo no Monument Valley, a família navajo Cly tem uma história registrada em fotos, desde a década de 1930, quando passaram a ser fotografados para cartões postais e filmados para faroestes de Hollywood. Mas é a aparição repentina de um filme vintage raramente visto que mais afeta suas vidas.Em 1997, Bill Kennedy, de Chicago, apareceu em Monument Valley com um filme mudo chamado “Menino Navajo” (Navajo Boy) que seu falecido pai, Robert J. Kennedy, produziu na década de 1950. Procurando entender o trabalho de seu pai na Reserva Navajo, Kennedy devolve o filme para os nativos que aparecem no filme. 

Quando a matriarca da família Cly, Elsie Mae Cly Begay, assiste ao filme, reconhece seu irmão mais novo, John  Wayne Cly, que foi levado por missionários brancos, na década de 1950, e nunca mais se ouviu falar dele. Com o retorno do “Menino Navajo”, a família Cly conta sua história com suas próprias vozes, lançando luz sobre o lado nativo da produção de imagens e mineração de urânio em Monument Valley. Vencedor de diversos prêmios, como Prêmio Sociedade de Antropologia Visual e Prêmio de Consciência Social do International Uranium Film Festival 2015. Trailer

SEG 23 MAIO - ENCONTRO ONLINE !

16:00

Indígenas e mineração de urânio

 
Uranium Film Festival reune, pela primeira vez na história, o povo Navajo, dos Estados Unidos, que vive há mais de 40 anos com a herança radioativa da mineração de urânio e povos indígenas no Brasil, ameaçados com uma mina de urânio-fosfato, no Ceará. O encontro contará com a participação de Elsie Begay, John Wayne Cly, Elvis Tabajara, Teka Potyguara, Jardel Potyguara e Toinho Gavião. Mediação em inglês e português pelos cineastas Jeff Spitz de EUA e Miguel Silveira do Brasil.
Acessível português e inglês.
 

QUI 26 MAIO - GUERRA NUCLEAR & TESTES DE BOMBAS ATÔMICAS

10:00

Sessão escolar presencial com o filme

Operação flecha quebrada. Acidente nuclear em Palomares (Operación Flecha Rota. Accidente nuclear en Palomares) de Jose Herrera Plaza.

Espanha, 2007. Documentário. 96’. Espanhol. Legendas em português.  Com as participações dos cineastas José Herrera Plaza e Jaime García Parra.

No meio da Guerra Fria, dois aviões militares da Força Aérea dos EUA colidiram, em janeiro de 1966, e caíram em Palomares (Almería), no Sul da Espanha, com quatro bombas atômicas poderosas de hidrogênio.  Ao atingir o solo, duas bombas explodiram sua carga convencional, o que fez com que o material radioativo de plutônio se espalhasse, devido ao vento forte. Uma bomba permaneceu intacta. A quarta bomba H cai no mar ao largo da costa. A Marinha dos EUA procurou a bomba afundada por semanas. DECLARAÇÃO DO DIRETOR: „Por meio século, 1.500 seres humanos têm vivido enganados e rodeados por vários quilos de plutônio espalhados pelo vento e pela chuva no Mediterrâneo e ao redor. Esta é a história de uma mentira que nasceu durante a Guerra Fria, a ditadura de Franco e a gênese da indústria nuclear na Espanha. Uma história ainda viva, aberta, à procura de uma solução final.“

Pelo seu incansável trabalho dedicado a fazer justiça às vítimas de Palomares, José Herrera Plaza recebeu o Troféu de Honra ao Mérito do International Uranium Film Festival 2019. Estará no Rio apresentando seu filme ao público na Cinemateca do MAM Rio. Livro.

15:30 

Quarta Guerra Mundial - o corte do Realismo (World War 4 - the Realism cut) de A.K. Strom

Com Campbell Rousselle e Graham Vincent. Nova Zelândia, 2022. Ficção. 87’. Inglês. Legendas em português.  Presencial e Online

Um thriller nuclear com um toque de documentário. Exércitos reais marcham, bombas caem e soldados invadem as praias. A câmara captura uma família no conflito. Eles podem sobreviver quando a guerra total é declarada e as armas nucleares são liberadas? „Quarta Guerra Mundial“ é um thriller nuclear que previu a guerra na Ucrânia três anos antes de acontecer e o filme de guerra nuclear mais assustadoramente real dos últimos dez anos.

17:30

Coreia do Sul, 2020. Produção Lee Jieun. Ficção. 94’. Coreano. Legendas em português. Legendas inglês.  Presencial e Online

Guerra nuclear: o que acontece com uma familia na Coreia do Sul? . Uma família se esconde no porão de sua casa, por duas semanas, seguindo a orientação do governo coreano, após Pan-Gyo (o vale do silício coreano) ter sido atacado por uma bomba nuclear. A família começou a lutar para sobreviver no porão, dia após dia... Filme indicado a melhor longa-metragem de ficção do International Uranium Film Festival do Rio Trailer.

19:30 

Canadá, 2014. Animação. 22’’. Sem diálogo. Presencial e Online

Um uma batalha pela supremacia, quem prevalecerá? "Robot Monster Us" pretende ser uma reflexão sucinta sobre como os humanos causam tanto dano ao meio ambiente, ao ponte de não parecer ser possível que monstros gigantes invasores ou robôs possam fazer algo para superá-lo. Embora a energia nuclear não emita dióxido de carbono da mesma maneira que os combustíveis fósseis, a "fumaça" (animação em areia) destina-se a representar a poluição que frequentemente passa despercebida, como a radiação, resultante da mineração e refino de urânio, além de considerar os custos com o transporte e depósito dos resíduos radioativos.Site.

O que os viajantes dizem sobre Jornada Del Muerto (What travelers are saying about Jornada del Muerto) de Hope Tucker

Estados Unidos, 2021. Documentário experimental. 14’. Inglês. Legendas em português. Presencial e Online

Moradores e visitantes do local da primeira detonação de uma bomba atômica no mundo, contribuem para a produção da memória pública, na Bacia de Tularosa, no Novo México (EUA).  O filme é um registro de resistência ao colonialismo nuclear, em memória do 75º aniversário da detonação de armas nucleares nos EUA e no Japão e ao 340º aniversário da Revolta Pueblo de 1680.  "A maneira de Tucker representar o passado histórico nos faz reconsiderar o que o passado histórico deveria ser e que tipo de ação devemos tomar para lembrá-lo." Kim Taein, curador do Museu de Arte Contemporânea de Busan. Site.

Filhos da confiança estratégica (Children of Strategic Trust ) de Stacy Libokmeto

Estados Unidos, Ilhas Marshall, 2011, Documentário, 25’. Inglês. Legendas em português. Presencial e Online

A "confiança estratégica“ pressupõe um acordo, baseado na condição mutuamente benéfica para os envolvidos. Quando os Estados Unidos decidiram usar as Ilhas Marshall como um campo de testes de bombas atômicas, após a Segunda Guerra Mundial, disseram aos ilhéus que era "para o bem da Humanidade". Nessa troca, as ilhas receberam o equivalente a 1,6 explosões de bombas atômicas de Hiroshima todos os dias, durante 12 anos, de 1946 a 1958. Os testes nucleares americanos terminaram há mais de 60 anos, mas os efeitos perduram na terra e nos corpos dos povos das Ilhas Marshall. Trailer

Ciganos do mar: a cúpula de plutônio (Sea Gypsies: The Plutonium Dome) de Nico Edwards

 Estados Unidos, Ilhas Marshall, 2021. Documentário. 35’. Inglês. Legendas em português.  Presencial e Online

No meio do oceano pacífico, o veleiro Infinity e sua tripulação se deparam com uma das ilhas mais perigosas do planeta, berço da bomba de hidrogênio, onde o governo norte-americano detonou entre 1946 e 1958, 67 bombas nucleares. Esse legado repousa numa praia paradisíaca, em uma gigantesca cúpula de concreto em ruínas e desprotegida.

SEX 27 MAIO - DIRETORAS ATÔMICAS PREMIADAS

15:00 

Stalking Chernobyl de Iara Lee. Ucrânia

Estados Unidos, Bulgária e Eslováquia, 2020. Documentário. 57’. Inglês, russo e ucraniano. Legendas em inglês. Legendas em português.  Presencial e Online

Um exame da cultura underground da Zona de Exclusão de Chernobyl. Três décadas após o desastre nuclear mais infame do mundo, a vida selvagem voltou na ausência de assentamentos humanos. Enquanto isso, aventureiros ilegais, conhecidos como “stalkings”, aficionados por esportes radicais, artistas e empresas de turismo começaram a explorar novamente a paisagem fantasmagórica pós-apocalíptica. Site

Mães atômicas refugiadas (Atomic Refugee Moms) de Ayumi Nakagawa

Japão, 2018. Documentário. 65’. Japonês. Legendas em português. Legendas em inglês.  Presencial

Muitas pessoas acabaram sendo atingidas pela pobreza, depois que o governo japonês cortou os subsídios habitacionais, para aqueles que fugiram de suas casas, após o desastre nuclear de Fukushima. Mães com filhos pequenos são particularmente vulneráveis à pobreza. Este filme apresenta histórias de mulheres que se esforçam para sobreviver em circunstâncias adversas, enquanto a memória compartilhada do desastre nuclear está desaparecendo no Japão. Melhor documentário longa-metragem 10º International Uranium Film Festival 2021.

17:30 

Poeira perturbadora (Unsettling dust) de Tineke van Veen e Barbara Prezelj

Países Baixos, 2021.Produção Tineke van Veen.  9’. Inglês. Legendas em português.  Presencial e Online

de Tineke van Veen e Barbara Prezelj, Produção Tineke van Veen. Países Baixos, 2021. Documentário experimental. 9 min. Inglês com legendas em português. Film info.

Fort de Vaujours, a 40 minutos de Paris, era um antigo local secreto para o programa de armas nucleares da França, onde os principais componentes das primeiras bombas atômicas do país foram desenvolvidos, de 1955 a 1997.  Não houve detonações nucleares completas em Vaujours, mas partes do Forte foram cobertas de poeira radioativa. O filme compoe um projeto artístico que explora a experiência corporal da radiação, concentrando-se na relação entre paisagens pós-nucleares, poeira radioativa e respiração. Uma reflexão sobre o que significa viver com a ameaça de contágio, com a dúvida lançada sobre cada respiração sua. Site

A Ilha Invisível (L'Ile Invisible) de Keiko Courdy

 França, 2021. Produção Pika Pika films, Música de Ryuichi Sakamoto and seigen ono. Documentário, 87’. Japonês. Legendas em português. Legendas em inglês. Presencial

As ondas quebram eternamente na costa da Usina Nuclear de Fukushima Daiichi. Trabalhadores da descontaminação da usina nuclear abrem seus cotidianos para a câmera. Ao lado de uma instalação para queima de lixo radioativo, crianças brincam no chão, sacos pretos cheios do solo contaminado se acumulam, enquanto a grama cresce no meio. O filme relata histórias de pessoas que sobreviveram ao tsunami e foram forçadas a partir, pessoas que voltaram para salvar sua região e pessoas que vieram trabalhar de muito longe por dinheiro, trabalhadores da descontaminação de Fukushima Daiichi. Traumas invisíveis estão por toda parte - uma história de resiliência, falha de tecnologia e a transformação de um território. No Japão, o governo deseja esquecer e seguir em frente, mas os rastros não podem ser apagados tão facilmente. Melhor documentário longa-metragem 10º International Uranium Film Festival 2021. Trailer/Site

19:30 

Valentes (Balentes: I Coraggiosi) de Lisa Camillo

Austrália e Itália, 2018. Documentário. 84’. Italiano com inglês. Legendas em inglês. Legendas em português.  Presencial e Online

Após 15 anos morando na Austrália, Lisa volta a sua terra natal, Sardena (uma ilha da Itália), e se depara com misteriosos bombardeios. Ela entra numa aventura, estilo Erin Brockovich, e descobre uma missão secreta da OTAN, com consequências devastadoras para o ambiente, seus habitantes e gerações futuras. Lisa inicia uma jornada para revelar a verdade. E diante essa verdade tao triste, Lisa encoraja os moradores, usando como recurso, a recente descoberta arqueológica dos gigantes do Monte Prama, guerreiros em rocha, prontos para atacarem os invasores com coragem e bravura. "Balentes” é um termo da Sardenha que significa “Soldados da Bravura”, aqueles que lutam pela justiça social, que defendem o fraco do opressor. Todos os personagens do filme são “valentes” que, sem desistir, lutam suas batalhas por sua própria justiça. Melhor Documentário Longa Metragem do International Uranium Film Festival Berlim 2021. Trailer.

SAB 28 MAIO - BOMBAS & APARELHOS ATÔMICOS PERDIDOS

15:00 

Segurança nuclear de Norbert G. Suchanek

Brasil, 2019. Colagem de reportagens. 12’. Português.  Presencial

Desde o acidente com césio-137 em Goiânia, em 1987, sabemos que acidentes radioativos podem acontecer não só em usinas nucleares. A catástrofe de Goiânia foi causada por apenas um aparelho de tratamento radioativo abandonado. No entanto, o uso de materiais radioativos em nossa sociedade é difundido, mas ainda desconhecido do público. Aparelhos de irradiação e elementos radioativos são usados não apenas na medicina, mas também na indústria siderúrgica, na mineração, exploração de petróleo e até na produção industrial de alimentos. Esta colagem de reportagens brasileiras, entre 2000 e 2019, mostra casos de aparelhos e materiais radioativos abandonados, roubados ou envolvidos em acidentes de trânsito - deixando evidente que acidentes radioativos ainda são possíveis, a qualquer hora e em qualquer lugar do Brasil, podendo já ter acontecido outros, embora permaneçam desconhecidos. A radioatividade é invisível.

Amarelinha de Ângelo Lima

Brasil, 2003, Ficção, 4 min. Presencial

 
Uma das primeiras vítimas do acidente radioativo ocorrido em Goiânia, com o césio-137, foi uma criança. Onde ficou os seus sonhos e brincadeiras? Leide das Neves não teve tempo para brincar.

Para não esquecer (35 anos do acidente com o césio 137 em Goiânia) de Gabriel Leal

Produção Centeio Filmes. Brasil, 2022. Documentário. 40’. Português.  Estreia Mundial. Presencial e Online

Odesson Alves, uma das vítimas do acidente radiológico de Goiânia, vive duas vidas:  uma antes e outra depois do acidente. Pensando em preservar a história do acidente, ele conta como foram aqueles dias na sua perspectiva. Vítima do Césio, Odesson Alves Ferreira, apresentará o filme de Gabriel na Cinemateca do MAM Rio.
Com participação de Odesson Alves Ferreira, esclarecedor e vítima do acidente com o césio 137, em Goiânia, 1987.

17:00 

Janeiro de 66 (Enero del 66) de Jaime García Parra

Espanha, 2022. Ficção. 14’. Espanhol. Legendas em português.  Presencial & Online
1966, um casal de turistas está com sua câmera, registrando um passeio tranquilo na praia. Atrás deles, alguns moradores praticam um jogo típico da região. Os turistas são atraídos pelo estranho jogo e decidem gravá-lo, sem saber da hecatombe que acontecerá diante da câmera. Uma comédia que pretende nos ajudar a crescer e a propor novas perspectivas visuais no interior de Almería, região na Espanha, onde caíram acidentalmente quatro bombas atômicas, durante a Guerra Fria. Jaime apresentará seu filme pessoalmente na Cinemateca do MAM Rio de Janeiro. Trailer


Operação flecha quebrada. Acidente nuclear em Palomares (Operación Flecha Rota. Accidente nuclear en Palomares) de Jose Herrera Plaza

Espanha, 2007. Documentário. 96’. Espanhol. Legendas em português. Presencial e Online
No meio da Guerra Fria, dois aviões militares da Força Aérea dos EUA colidiram, em janeiro de 1966, e caíram em Palomares (Almería), no Sul da Espanha, com quatro bombas atômicas poderosas de hidrogênio.  Ao atingir o solo, duas bombas explodiram sua carga convencional, o que fez com que o material radioativo de plutônio se espalhasse, devido ao vento forte. Uma bomba permaneceu intacta. A quarta bomba H cai no mar ao largo da costa. A Marinha dos EUA procurou a bomba afundada por semanas. DECLARAÇÃO DO DIRETOR: „Por meio século, 1.500 seres humanos têm vivido enganados e rodeados por vários quilos de plutônio espalhados pelo vento e pela chuva no Mediterrâneo e ao redor. Esta é a história de uma mentira que nasceu durante a Guerra Fria, a ditadura de Franco e a gênese da indústria nuclear na Espanha. Uma história ainda viva, aberta, à procura de uma solução final.“
 
Pelo seu incansável trabalho dedicado a fazer justiça às vítimas de Palomares, José Herrera Plaza recebeu o Troféu de Honra ao Mérito do International Uranium Film Festival 2019. Estará no Rio apresentando seu filme ao público na Cinemateca do MAM Rio. Livro.
Com as participações dos espanhóis José Herrera Plaza e Jaime García Parra.

DOM 29 MAIO - GRANDE FINAL

15:00 

Nosso amigo, o átomo: um século de radioatividade (Notre ami l'atome: Un siècle de radioactivité) de Kenichi Watanabe

França, 2020. Produção Kami productions.  Documentário. 56’. Francês. Inglês. Legendas em português. Presencial e Online
Os cientistas manipularam com sucesso a energia nuclear. Mas a indústria nuclear civil e militar escondem e minimizam os riscos do átomo. O filme é uma extensa investigação histórica sobre a ligação entre a exposição à radiação e seus efeitos no corpo humano. Do casal Curie à Fukushima, o filme pretende dar sentido às histórias das vítimas irradiadas, ao mesmo tempo em que revela as mentiras do mundo do átomo. Trailer

16:10

Vale dos Deuses (Dolina Bogów) de Lech Majewski

Polônia / Itália / Luxemburgo / Estados Unidos, 2019. Produtor Lech Majewski e Filip Rymsza, Co-produção Polônia-Luxemburgo, Royal Road Entertainment. Com Josh Hartnett, John Malkovich, John Rhys-Davies, Bérénice Marlohe,  Joseph Runningfox, Ficção, 126’. Inglês. Legendas em português.  Com partipação de Lech Majewski. Presencial

“Vale dos Deuses” foi rodado em Utah, Los Angeles, Roma e nos castelos da Polônia. Escrito, dirigido e produzido por Lech Majewski, tece três fios narrativos: a lenda tradicional Navajo sobre deuses presos dentro das rochas do Vale dos Deuses; a história da pessoa mais rica do mundo, Wes Tauros (John Malkovich), que vive escondido do mundo sofrendo uma tragédia pessoal; e a do narrador, John Ecas (Josh  Hartnett), que trabalha como redator na empresa de Tauros. Após uma separação traumática de sua esposa, John começa a escrever a biografia de seu chefe e aceita um convite para sua mansão. Neste momento, a empresa de Tauros, que extrai minério de urânio, compra o Vale dos Deuses para fazer túneis na terra sagrada. A paz quebrada dos ancestrais Navajo faz com que as rochas deem luz a um vingador. O filme recebeu vários prêmios: Prêmio Especial de Direção, Camerimage 2019; Prêmio alla Carriera, Lucca 2020; Nova Visão, Sitges 2020; Melhor Filme Europeu, Melhor Diretor Internacional, I-FEST International Film Festival, Castrovillari, 2021, Melhor Longa-Metragem do 8° International Uranium Film Festival Berlim, 2020.

Lech Majewski apresentará seu filme no MAM do Rio de Janeiro, cidade que já visitou em 1986. Ele foi ao bairro carioca de Santa Teresa para conhecer o “homem mais procurado do mundo”, Ronald Biggs, o famoso assaltante do trem pagador inglês, para desenvolver com ele o roteiro de seu filme de 1988 "Prisioneiro do Rio". Site.

Premiação

Com a participação dos cineastas Lech Majewsky, José Herrera Plaza e Jaime García Parra, Odesson Alves Ferreira, entre outros
Confraternização nos Jardins do MAM Rio com degustação de Cachaça Magnífica e DJ Flávio (@alivepopup)
 
_______________________________________
 
Serviço:
11º Uranium Film Festival - de 19 a 29 de maio de 2022

Link reserva: escolha sua sessão e coloque a opção (gratuito) para gerar o ingresso:
https://mamrio.byinti.com/#/ticket/

Certificado de participação UNIFAETEC: https://forms.gle/xhgNqM1LRuEM6Bok7
O Festival também é online: acesso direto, sem inscrição, de 19 a 29 de maio, link:
 
GRATUITO
Festival presencial: garanta seu ingresso em  www.mam.rio/ingressos

Local: Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio)

Av. Infante Dom Henrique, 85 – Parque do Flamengo - Rio de Janeiro / Brasil
Como chegar

Festival online: acesso direto, sem inscrição, de 19 a 29 de maio:  www.vimeo.com/showcase/uranium2022
Mais informações sobre Uranium Film Festival

info@uraniumfilmfestival.org

www.uraniumfilmfestival.org

 

Parceiro